Colin Hay está lançando três novas versões de ‘Down Under’ sem o solo de flauta

Colin Hay no cruzamento da Power Street e Riversdale Road, em Melbourne na Austrália, onde a música Down Under ‘nasceu’ 
Foto: Stuart Mcevoy Fonte: The Australian

O cruzamento da Riversdale Road e Power Street em Melbourne guarda importantes lembranças para Colin Hay. Foi onde o vocalista do Men at Work surgiu com a letra de ‘Down Under’.

“Eu tinha essa frase ‘living in a land down under’ na minha cabeça por semana. (Co-compositor) Ron (Strykert) me deu uma fita cassete com uma ideia de baixo e percussão”, ele relembra.

“Eu me lembro de dirigir pela Power Street e cantar a frase sobre o som da fita.”

“Eu cantei várias vezes até chegar em casa, e na manhã seguinte o resto das palavras e música surgiram em mais ou menos uma hora. Eu sabia que aquilo era bom.”

Ele pouco poderia imaginar em 1978 que ‘Down Under’ se tornaria uma das mais populares músicas da Austrália de todos os tempos, ou que este hit mundial seria motivo de um prejudicial processo 28 anos após o lançamento do single pelo Men at Work em 1982.

O processo, acionado contra Hay e ex-integrante Strykert e  sua editora e gravadora, resultou em 5% dos royalties da gravação direcionados para a Larrikin Music da Austrália.

Larrikin reclamou da linha de flauta na música, toca pelo ex-integrante Greg Ham, plagiada da velha canção folk australiana ‘Kookaburra Sits in the Old Gum Tree’, da qual possue os direitos.

A regra é parcial enquanto Hay, que reside na Califórnia, clamando que a parte da flauta é inofensiva está lançando três novas versões da música com a linha de flauta removida ou alterada.

“Eu só fiz isso porque eu podia,” disse Hay, que estava visitando a Power Street durante uma rápida visita à Melbourne.

“Eu queria lançar e dizer: ‘aqui está sem a flauta e não faz diferença’. Ainda é a música.”

Ham, a quem Hay disse que ficou devastado por ser rotulado como um plagiador pela corte, foi encontrado morte em sua casa em Melbourne no mês de abril. A causa de sua morte é desconhecida.

“Este foi um trágico elemento para a coisa toda”, disse Hay. “Greg se deixou levar pela mídia negativa a respeito da apropriação do solo. Ele se sentiu péssimo pelo fato de que ele tocou a flauta, mas Ron e eu fomos processados.”

“Minhas últimas conversas com ele foram pra tentar dizer: ‘olha, as pessoas não vão se lembrar de nada disso, realmente. As pessoas gostam da música.'”

Hay fez as regravações – uma acústica, um remix da versão original e outra ao vivo com banda de 2010. As faixas serão lançadas exclusivamente pelo iTunes.

Strykert não foi envolvido nas novas gravações e os dois não se falam há anos. Strykert foi isentado dos procedimentos processuais.

“Ele não faz parte de nada por anos”, disse Hay. “Eu não sei onde ele está e não conheço ninguém que saiba também”.

Provar o mérito da música, independente da linha de flauta, é a única razão pela qual ‘Down Under’ está para readentrar o consciente do público. Outro motivo é que no aniversário de 30 anos da música, ela está sendo usada pela empresa Telstra num comercial de televisão para os jogos olímpicos. Hay está envolvido com a campanha e foi filmado para a propaganda na Austrália e Londres, tocando o ‘hino não oficial’ para empolgados australianos.

Hay disse que as complicações financeiras do processo não influenciaram em sua decisão de se envolver com a campanha da Telstra.

“Comparado ao custo do processo, o cachê pela propaganda é mínimo”, ele disse.

“É uma gota num balde, e o custo processual foi de milhões.”

Fonte: The Australian